Atualizado em 19.07.2014

Atualizado em 19.07.2014

terça-feira, 22 de março de 2011

19 - SISTEMA IMUNOLÓGICO - Medula óssea - TIMO - Linfa, alergias e doenças auto imunes




O sistema imunitário (também conhecido como sistema imunológico) compreende todos os mecanismos pelos quais um organismo multicelular se defende de invasores internos, como bactérias, vírus ou parasitas.

São as defesas naturais do organismo. Trata-se de um batalhão de células especializadas em identificar e destruir todos os microrganismos estranhos que entram no corpo. Esse deveria ser nosso processo normal. Infelizmente não é o que vem acontecendo. Mas podemos lidar com essa disfunção de forma simples. GFU + foco no pH para  equilibrar o sistema ácido-base e em casos mais sérios verificar a eletricidade do corpo.

O homem mantém contato direto com uma grande quantidade de organismos com características biológicas bastante variadas, grande quantidade de agentes infecciosos: vírus, bactérias, fungos, protozoários e parasitas e parasitos multicelulares (muitos dos quais podem causar um desequilíbrio fisiológico focal ou generalizado causando o estado de doença – um exemplo já colocado é o caso da Cândida que se transforma em Candidíase crônica. A Cândida Albicans como já colocado em Candidíase, está presente na maioria das Doenças crônicas e auto-imunes).Mais no tópico Candidíase



Como estes organismos apresentam-se de formas bastante diferentes, há a necessidade de uma ampla variedade de respostas imunes para controlar cada tipo de infecção. Veja a importância de estarmos com nosso sistema imune funcionando perfeitamente. O GFU colabora no RE equilíbrio de todos os sistemas.
O ser humanos está enfraquecido, seu  sistema imunológico não está conseguindo cumprir sua função corretamente. O sangue está ácido carregado de toxinas, metais e micro organismos patogênicos .., seu fígado cansado e MUITA gente adoecendo sem saber porque.

Termos mais comuns usados quando se fala em Imunologia.

É a implantação, crescimento e proliferação de seres agressores no organismo hospedeiro, acarretando-lhe prejuízo.

Inflamação: Reação de defesa de um tecido em relação a presença de um agente agressor.

Agente infeccioso: Qualquer ser capaz de originar infecção.

Infecciosidade: Característica de um agressor que tem poder de infectar.

Patogenicidade: Capacidade que tem o agente agressor de causar doença.

Virulência:Capacidade de produzir doença grave ou fatal.

Poder Imunogênico: Poder do agressor de ser percebido e desencadear a resposta imune no organismo hospedeiro.



COMO FUNCIONA
Assim que um organismo infeccioso entra no corpo humano (pode ser vírus, bactéria, fungo ou parasita), os primeiros a reagir são os macrófagos, que atacam os intrusos
O restante dos invasores servem de sinal para que as células T ordenem as células B, ambas integrantes do sistema de defesa, para iniciar a produção de anticorpos.

Linfócitos T
Possuem uma ampla variedade de atividades interagindo com células fagocitárias, atuando no controle do desenvolvimento dos linfócitos B e atuando como defesa na destruição de células infectadas.

Linfócitos B
Combatem patógenos extracelulares e seus produtos através da produção de anticorpos.

Os anticorpos se fixam nos invasores e sinalizam aos fagócitos para destruí-los. A partir daí, todas as defesas estão em ação para combater a doença. Depois que a infecção é vencida, o corpo passa a ter imunidade (temporária ou permanente) contra o mal. Naturalmente, precisamos sofrer da doença para conseguir a imunidade natural. Mas o sistema imunológico, embora perito em eliminar infecções, nem sempre ganha da doença. O que explica o aumento das doenças, tanto em variedade como em quantidade. O Ser humano está enfraquecido e seu sistema imune não está dando conta  do recado.














Existem dois tipos de mecanismos de defesa: 
- os inatos ou não específicos, como a proteção da pele, a acidez gástrica, as células fagocitárias ou a segregação de lágrimas;
- e o sistema imunitário adaptativo, como a ação direcionada dos linfócitos e a sua produção de anticorpos específicos.

Barreiras físicas

  • A pele: A sua superfície lipofílica é constituída de células mortas ricas em queratina, uma proteína fibrilar, que impede a entrada de micro organismos.
  • As secreções ligeiramente ácidas e lípidicas das glândulas sebácea e sudorípara, criam um microambiente cutâneo hostil ao crescimento excessivo de bactérias.Veja a importância da transpiração e o que se fala sobre o uso de desodorantes antitranspirantes.
  • O ácido gástrico é uma poderosa defesa contra a invasão por bactérias do intestino. Poucas espécies são capazes de resistir ao baixo pH e enzimas destruidoras que existem no estômago.No processo de digestão a função dos ácidos e a importância do pH baixo.
  • A saliva e as lágrimas contêm enzimas bactericidas, como a lisozima, que destroem a parede celular das bactérias.
  • No intestino,em intestino delgado e a Disbiose esse assunto é bem explicado as numerosas bactérias da flora normal, competem com potenciais patogênicos por comida e locais de fixação, diminuindo a probabilidade de estes últimos se multiplicarem em número suficiente para causar uma doença. É por isso que o consumo de demasiados antibióticos orais é um dos motivos que pode levar à depleção da flora benigna normal do intestino. Espécies perigosas podem multiplicar-se sem competição, causando, posteriomente, diversas doenças.Interessante, falam e sempre falam dos antibióticos....
  • O muco é outra defesa, revestindo as mucosas. Ele sequestra e inibe a mobilidade dos corpos invasores, sendo a sua composição hostil para muitos micro organismos. Além disso, contém anticorpos do tipo IgA.

 Fagócitos

Os fagócitos são as células, como neutrófilos e macrófagos, que têm a capacidade de estender porções celulares (pseudópodes) de forma direcionada, englobando uma partícula ou micro organismo estranho. Este microrganismo é contido num vacúolo, o fagossoma, que depois é fundido com lisossomas, vacúolos ricos em enzimas e ácidos, que digerem a partícula ou organismo.



 Os fagócitos reagem a citocinas produzidas pelos linfócitos, mas também fagocitam, ainda que menos eficazmente, de forma autônoma sem qualquer estimulação. Naturalmente esta forma de defesa é importante contra infecções bacterianas, já que vírus são demasiado pequenos e a maioria dos parasitas demasiado grandes para serem fagocitados. 

A fagocitose também é importante na limpeza dos detritos celulares após infecção ou outro processo que leve a morte celular nos tecidos. No entanto os fagócitos morrem após algumas fagocitoses, e se o numero de invasores e de detritos for grande, poderão ambos, fagócitos e bactérias, ficarem presos num liquido pastoso e rico em proteínas estruturais, que se denomina pus. É um sistema bem complexo. Simples quando funcionando em equilíbrio.

Além disso estas células produzem radicais livres, formas altamente reativas de oxigênio, que danificam as bactérias e outros invasores além dos tecidos a sua volta.

Algumas bactérias como o Mycobacterium tuberculosis, que causa a tuberculose, têm mecanismos de defesa contra a digestão após fagocitose, e sobrevivem dentro do fagócito parasitando-o e escondendo-se aí dos linfócitos.

Fagócitos e células relacionadas:
  • Neutrófilo: é o mais abundante dos fagócitos e é sempre o primeiro a chegar ao local da invasão. Fagocita e mata as bactérias.
  • Macrófago: célula gigante, a forma madura do monócito, tem capacidade de fagocitar muito mais bactérias que o neutrófilo. A sua diferenciação é estimulada por citocinas. É mais eficaz na destruição das bactérias que o neutrófilo, mas vive menos tempo, tendo de ser formado de novo a partir de monócitos em cada infecção.
  • Basófilo e Mastócito são células pouco fagocíticas que libertam histamina e são importantes em algumas reações alérgicas (como a asma) e também na defesa dos parasitas. São ativadas por um tipo de anticorpo, a IgE.
  • Eosinófilo: célula não fagocítica mas relacionada ao neutrófilo. Importante na defesa contra parasitas.
Os neutrófilos, eosinófilos e basófilos também são conhecidos como polimorfo nucleados (devido aos seus núcleos lobulados) ou granulócitos. Em sangue e como ver um exame de sangue dá para sabermos um pouco mais sobre nossos exames de sangue.

 Sistema complemento

O sistema complemento é um grupo de proteínas produzidas pelo fígado, presentes no sangue.

Elas reconhecem e ligam-se a algumas moléculas presentes em bactérias, ou são ativados por anticorpos ligados a bactérias. Então inserem-se na membrana celular do invasor e criam um poro, pelo qual entra água excessiva, levando à lise (rebentamento osmótico da célula).

Outras proteínas não especificas incluem a proteína c-reativa, que também é produzida no fígado e se liga a algumas moléculas comuns nas bactérias mas inexistentes nos humanos, ativando o complemento e a fagocitose. 
Veja a importância do fígado estar OK.
Muito comum as pessoas sentirem dores nas articulações e nos músculos, depressões, insônias, problemas de pele, problemas de bexiga e rins. Fígado sobrecarregado que na sequência  vai sobrecarregar os rins.

MEDULA ÓSSEA
A medula óssea é o local onde se situam as células estomáticas, que dão origem a todas as células do sistema imune e ainda das plaquetas e eritrócitos. É ainda o local de maturação de todas estas células, com excepção dos linfócitos T.

O Timo é o local de maturação dos linfócitos T. Colocando mais abaixo sobre o Timo.

Os gânglios linfáticos são órgãos pequenos com forma de feijão, situados em todo o corpo. Eles contém linfócitos B e linfócitos T4 e T8, e são os locais de recolha de antigênios (filtração) da linfa. 

Aí se organizam e controlam as defesas e formam folículos linfoides onde os linfócitos B com receptores específicos para os antígenos se maturam em plasmócitos produtores de anticorpos.

Aí também se maturam os linfócitos T8 específicos do antígeno em linfócitos citotóxicos. As células apresentadoras de antigênios como célula de Langerhans e os fagocitos afluem aos gânglios para apresentar antigênios recolhidos (ou fagocitados) da periferia aos linfócitos.

O Baço é um órgão filtrador do sangue contendo folículos semelhantes aos dos gânglios linfáticos (que filtram a linfa).

O Fígado é primariamente um órgão metabólico, mas também alberga muitos fagócitos e é ele que produz as proteínas imunitárias como o sistema complemento. Controla as invasões intestinais já que filtra todo o sangue proveniente do intestino pela veia porta.

O Intestino e os Brônquios: são importantes órgãos imunitários. 
Contêm uma camada com folículos linfóides (o MALT -mucosa associated lymphoid tissue ou BALT), plenos de linfócitos, que reagem aos antigênios e outras reações contra eles. Controlam também a flora normal de bactérias intestinais.

As tonsilas (amigdalas) são aglomerados de tecido linfoide em redor da entrada da faringe, controlando os invasores que entram pela boca.

 Alergias, doença autoimune,e leucemias

As alergias são reações imunitárias a um antígeno estranho. Quando o nosso sistema imunológico não consegue combater os invasores de forma eficaz, o corpo pode reagir com doenças, infecções ou alergias.

As substâncias que são estranhas ao nosso corpo são chamadas de antígeno.
Nas pesquisas realizadas vemos a alergia , qualquer que seja, como um aviso de que o sistema imuno está enfraquecido e não conseguindo realizar com clareza as suas funções.Com o tempo a pessoa passa a sentir problemas com cheiros, perfumes, gasolina, álcool, entre outros. É comum a pessoa que tem quadro alérgico a cheiros ter uma questão emocional variável e dores musculares. O GFU equilibrando as defesas ajuda muito a acabar com as alergias.

As doenças autoimunes são devidas à perda da capacidade dos linfócitos em distinguir os antigênios. O sistema ataca as próprias células do corpo, julgando-as invasoras. 

As leucemias (na medula óssea e sangue) e linfomas (nos gânglios linfáticos) são neoplasias (ou seja cancro) das células do sistema imunitário. Elas decorrem muitas vezes com efeitos auto-imunes e de imunodeficiência (um corpo debilitado, estressado, por demais contaminado – que vem brigando já há algum tempo com micro organismos)e são altamente invasivas, já que circulam livremente pelo sangue e linfa.(onde atua  O GFU - eletroterapia)

Mais em: http://pt.wikipedia.org/
Melhores artigos – Biologia e Medicina - sistema imunitário
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-imunologico/imunologia.php

TIMO
texto da escritora Sonia Hirsch.
No meio do peito, bem atrás do osso onde a gente toca quando  diz "eu", fica uma pequena glândula chamada timo. Seu nome em grego, thýmos, significa energia vital. Precisa dizer mais?
Precisa, porque o timo continua sendo um ilustre desconhecido. Ele cresce quando estamos contentes, encolhe pela metade quando estressamos e mais ainda quando adoecemos.
Essa característica iludiu durante muito tempo a medicina, que só o conhecia através de autópsias e sempre o encontrava encolhidinho. Supunha-se que atrofiava e parava de trabalhar na adolescência, tanto que durante décadas os médicos americanos bombardeavam timos adultos perfeitamente saudáveis com megadoses de raios X achando que seu "tamanho anormal" poderia causar problemas.
Mais tarde a ciência demonstrou que, mesmo encolhendo após a infância, continua totalmente ativo; é um dos pilares do sistema imunológico, junto com as glândulas adrenais e a espinha dorsal, e está diretamente ligado aos sentidos, à consciência e à linguagem. Como uma central telefônica por onde passam todas as ligações, faz conexões para fora e para dentro.
Se somos invadidos por micróbios ou toxinas, reage produzindo células de defesa na mesma hora.
Mas também é muito sensível a imagens, cores, luzes, cheiros, sabores, gestos, toques, sons, palavras, pensamentos.
Amor e ódio o afetam profundamente.
Ideias negativas têm mais poder sobre ele do que vírus ou bactérias. Já que não existem em forma concreta, o timo fica tentando reagir e enfraquece, abrindo brechas para sintomas de baixa imunidade, como herpes.
Em compensação, ideias positivas conseguem dele uma ativação geral em todos os poderes, lembrando a fé que remove montanhas. 
O teste do pensamento
Um teste simples pode demonstrar essa conexão. Feche os dedos polegar e indicador na posição de ok, aperte com força e peça para alguém tentar abrí-los enquanto você pensa " estou feliz". Depois repita pensando " estou infeliz".
A maioria das pessoas conserva a força nos dedos com a ideia feliz e enfraquece quando pensa infeliz. Substitua os pensamentos por uma bela sopa de legumes ou um lindo sorvete de chocolate para ver o que acontece...
Esse mesmo teste serve para lidar com situações bem mais complexas. Por exemplo, quando o médico precisa de um diagnóstico diferencial, seu paciente tem sintomas no fígado que tanto podem significar câncer quanto abcessos causados por amebas. Usando lâminas com amostras, ou mesmo representações gráficas de uma e outra hipótese, testa a força muscular do paciente quando em contato com elas e chega ao resultado.
As reações são consideradas respostas do timo e o método, que tem sido demonstrado em congressos científicos ao redor do mundo, já é ensinado na Universidade de São Paulo (USP) a médicos acupunturistas.
O detalhe curioso é que o timo fica encostadinho no coração, que acaba ganhando todos os créditos em relação a sentimentos, emoções, decisões, jeito de falar, jeito de escutar, estado de espírito..." Fiquei de coração apertadinho", por exemplo, revela uma situação real do timo, que só por reflexo envolve o coração.
O próprio chacra cardíaco, fonte energética de união e compaixão, tem mais a ver com o timo do que com o coração - e é nesse chacra que, segundo os ensinamentos budistas, se dá a passagem do estágio animal para o estágio humano.
"Lindo!", você pode estar pensando, "mas e daí?".
Daí que, se você quiser, pode exercitar o timo para aumentar sua produção de bem estar e felicidade. Como? Pela manhã, ao levantar, ou à noite, antes de dormir.
a) Fique de pé, os joelhos levemente dobrados. A distância entre os pés deve ser a mesma dos ombros. Ponha o peso do corpo sobre os dedos e não sobre o calcanhar, e mantenha toda a musculatura bem relaxada.
b) Feche qualquer uma das mãos e comece a dar pancadinhas contínuas com os nós dos dedos no centro do peito, marcando o ritmo: uma pancadinha forte e duas fracas.
Continue por três a cinco minutos, respirando calmamente, enquanto observa a vibração produzida em toda a região torácica. O exercício estará atraindo sangue e energia para o timo, fazendo-o crescer em vitalidade e beneficiando também pulmões, brônquios, coração, rins, baço e garganta. Ou seja, enchendo o peito de algo que já era seu e só estava esperando um olhar de reconhecimento para se transformar em coragem, calma, nutrição emocional, abraço.
Ótimo,intimo cheio de estímulo. Bendito Timo!

Sonia Hirsch é jornalista e escritora sobre alimentação natural e qualidade de vida.

Homeostase - O corpo humano é composto de vários sistemas e órgãos, cada um consistindo de milhões de células. Estas células necessitam de condições relativamente estáveis para funcionar efetivamente e contribuir para a sobrevivência do corpo como um todo. A manutenção de condições estáveis para suas células é uma função essencial do corpo humano, a qual os fisiologistas chamam de homeostase.


        A homeostase (homeo = igual; stasis = ficar parado) é uma condição na qual o meio interno do corpo permanece dentro de certos limites fisiológicos. O meio interno refere-se ao fluido entre as células, chamado de líquido intersticial (intercelular).

        Um organismo é dito em homeostase quando seu meio interno contém:

- a concentração apropriada de substâncias químicas,  mantém a temperatura  e a pressão adequadas. 

- Quando a homeostase é perturbada, pode resultar a doença.

*                  
 Nascemos com uma série de mecanismos que regulam nosso organismo para funcionar sempre em perfeito equilíbrio. A esse processo, o fisiologista norte-americano Walter Cannon chamou de homeostasia. O detalhe interessante é que esse mecanismo é automático, ele se auto-regula. 

Nocicepção é o conjunto das percepções de dor que somos capazes de distinguir.

Está intimamente ligada ao sistema emocional, bem como se relaciona com vários outros sistemas do corpo tais como o imunitário pode ser induzida num receptor de três formas específicas:

Mecânica - Quando ocorre um estímulo mecânico capaz de excitar um mecanoreceptor de dor(receptor estimulado por meios físicos, tais como, impacto, fricção, tracionamento, rompimento). Ex: Corte, pancada, perfuração, abrasão, pressão.

Térmica - Quando ocorre um estímulo térmico que é capaz de excitar um termoceptor de dor (receptor sensível ao calor ou ao frio). Ex: Queimaduras até segundo grau. Obs: no caso das queimaduras pode ocorrer quimiocepção por extravasamento de fluidos celulares que mediam a dor, mas isso será explicado abaixo.

Química - Quando ocorre estímulo mediado por mecanismo químico em um quimioceptor (receptor sensível a alterações químicas do meio ou a ligação de um mediador químico ou neurotransmissor). 
Ex: Na inflamação (seja ela aguda ou crônica) ocorre destruição de algumas células ou mesmo liberação (sem morte) de algumas substâncias que são capazes de estimular algumas terminações nervosas hipersensibilizá-las a outro estímulo.

As sensações de dor conforme o citado acima, estão diretamente ligadas ao sistema comportamental e a outros sistemas por que algumas alterações, além de serem capazes de estimular, também podem sensibilizar os receptores de dor.
Existem Três Tipos de dor:


Dor nociceptiva - é a dor ligada aos receptores

Dor neurogênica - que ocorre por lesão na via de transmissão da dor, causando uma sensação de dor em um local correspondente a esta via

Dor psicogênica - é a dor menos tratável por ser de origem emocional e esta é uma dor extremamente incapacitante, por gerar estímulo apenas a um simples toque de dedo sobre a pele. Ex: quando um paciente diz "Estou com uma saudade de fulana que chega a doer!" Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Legalmente é obrigatória essa declaração abaixo:
As informações, sugestões e ideias apresentadas neste documento são apenas para informação e não devem ser interpretadas como conselhos médicos, diagnóstico de doenças, ou para efeitos de prescrição. Os leitores devem consultar seu médico antes de iniciar qualquer programa de tratamento alternativo. As informações contidas neste documento não devem ser usadas para substituir os serviços ou as instruções de um médico ou profissional de saúde qualificado.
Este produto não é destinado a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença, dor, ferimentos, deformidade ou condição física ou mental. Consulte sempre seu médico.